Pastorais na Igreja – Prof. Marques

R$7,50 R$5,00

Pastorais são serviços especiais prestados por leigos para o bem da comunidade e para o crescimento do Reino de Deus. A palavra pastoral deriva de Cristo Pastor, que cuida das ovelhas. (Pastoral da Liturgia, Pastoral da Acolhida, Pastoral da Música, Pastoral do Batismo, Pastoral da Primeira Eucaristia, Pastoral dos Jovens, Pastoral da Criança, Pastoral do Menor, Pastora da Terra, PastoralVocacional, Pastoral do Dízimo, Pastoral da Terceira Idade, Pastoral da Legião de Maria, Pastoral da Saúde, entre outras)

De início, é oportuno registrar a diferença entre ministérios e pastorais, ou seja, aqueles são serviços especiais com mandato do Bispo (ministro da Sagrada Comunhão, por exemplo), e pastorais, que são outros serviços prestados pelos leigos, mas sem necessidade de autorização do bispo (coordenador de Catequese, por exemplo).

O Catecismo da Igreja Católica (CIC, 906 e 907), assim se expressa: “Os leigos que forem capazes e que se formarem para isto podem dar a sua colaboração na formação catequética, no ensino das ciências sagradas, e atuar nos meios de comunicação social. De acordo com a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, têm o direito, e, às vezes, até o dever de manifestar aos pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da Igreja e, ressalvando a integridade da fé e dos costumes e a reverência para com os pastores, e levando em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas, deem a conhecer essa sua opinião também aos outros fiéis”.

O Código de Direito Canônico prevê, no cânon 517, parágrafo 2, em casos excepcionais, a nomeação de leigos para participar do cuidado pastoral de uma paróquia, que, porém, continua confiada ao governo de um presbítero como pároco. Há, em nosso país, inúmeros casos de leigos ministros da Palavra, que presidem as celebrações onde não há padres ou na ausência destes.

Tamanho: 14x21cm
52 páginas

Comparar
Apresentação

Descrição

Pastorais são serviços especiais prestados por leigos para o bem da comunidade e para o crescimento do Reino de Deus. A palavra pastoral deriva de Cristo Pastor, que cuida das ovelhas. (Pastoral da Liturgia, Pastoral da Acolhida, Pastoral da Música, Pastoral do Batismo, Pastoral da Primeira Eucaristia, Pastoral dos Jovens, Pastoral da Criança, Pastoral do Menor, Pastora da Terra, PastoralVocacional, Pastoral do Dízimo, Pastoral da Terceira Idade, Pastoral da Legião de Maria, Pastoral da Saúde, entre outras)

De início, é oportuno registrar a diferença entre ministérios e pastorais, ou seja, aqueles são serviços especiais com mandato do Bispo (ministro da Sagrada Comunhão, por exemplo), e pastorais, que são outros serviços prestados pelos leigos, mas sem necessidade de autorização do bispo (coordenador de Catequese, por exemplo).

O Catecismo da Igreja Católica (CIC, 906 e 907), assim se expressa: “Os leigos que forem capazes e que se formarem para isto podem dar a sua colaboração na formação catequética, no ensino das ciências sagradas, e atuar nos meios de comunicação social. De acordo com a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, têm o direito, e, às vezes, até o dever de manifestar aos pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da Igreja e, ressalvando a integridade da fé e dos costumes e a reverência para com os pastores, e levando em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas, deem a conhecer essa sua opinião também aos outros fiéis”.

O Código de Direito Canônico prevê, no cânon 517, parágrafo 2, em casos excepcionais, a nomeação de leigos para participar do cuidado pastoral de uma paróquia, que, porém, continua confiada ao governo de um presbítero como pároco. Há, em nosso país, inúmeros casos de leigos ministros da Palavra, que presidem as celebrações onde não há padres ou na ausência destes.

Tamanho: 14x21cm
52 páginas

Informação adicional

Peso 0.072 kg
Dimensões 14 × 21 × 1 cm

Você também pode gostar de…